O que é Psicanálise Organizacional?

Passamos boa parte do nosso tempo em atividades produtivas. E essas atividades vêm acentuando adoecimentos e afetando a saúde mental.

Apesar dos dados alarmantes, a saúde mental é a área da saúde que mais carece de cuidados e investimentos.

Dados da Organização Mundial da Saúde mostram que cerca de 12 milhões de brasileiros sofrem de depressão. Estima-se que entre 20% e 25% da população teve, tem ou terá depressão, sendo essa a doença mental com maior prevalência no Brasil.

Em seguida aparece a ansiedade, que afeta cerca de 19,4 milhões de brasileiros e faz com que o Brasil ocupe o primeiro lugar da lista de países mais ansiosos do mundo. Os transtornos ansiosos incluem fobia, transtorno obsessivo-compulsivo, estresse pós-traumático e ataque de pânico.

Muitas vezes, identifica-se que existe um círculo vicioso: os prejuízos da saúde mental impactam a produtividade no trabalho e, ao mesmo tempo, o próprio ambiente do trabalho contribui com impactos negativos para saúde mental.

Entender os contextos e os padrões emocionais e comportamentais dentro das organizações é o primeiro passo para resolução desses conflitos e, é justamente aqui, que podemos fazer uma intersecção entre psicanálise e as organizações – a Psicanálise Organizacional.

A psicanálise, enquanto procedimento para investigação de processos mentais, pode se tornar uma peça fundamental para uma melhor compreensão do universo do trabalho.

Não se pode negar as contribuições da psicanálise no estudo sobre o comportamento humano. O autoconhecimento e a busca para entender o comportamento do outro vêm ganhando destaque nas últimas décadas e, hoje, mais do que nunca, são parte fundamental de uma gestão mais estratégica.

Não se trata (é claro!) de levar o divã para dentro dos escritórios, ou ainda levar toda a equipe de uma empresa para os consultórios clínicos, mas sim de fazer uma análise mais profunda sobre o que ocorre dentro das organizações: suas interações interpessoais e seus discursos e suas incongruências, e, a partir disso, apontar caminhos sustentáveis para que possamos alinhar saúde mental e produtividade dentro das organizações.